Mesmo na pandemia, Petrobras bate recorde de exportação de petróleo cru

A Petrobras anunciou, no início de maio de 2020, ter batido em abril o seu recorde de exportação de petróleo cru. Foram vendidos durante o mês um total de 30,4 milhões de barris no mercado internacional, uma média de 1 milhão de barris por dia.

O recorde anterior era de dezembro de 2019 com 771 barris por dia, e significa aumento de 145% com relação a abril daquele ano.

A marca veio no momento de maior crise já atravessada pelo setor, causada pela pandemia do Coronavírus, que diminuiu a demanda internacional por petróleo e derivados e, por consequência, o preço do barril.

Segundo a própria Petrobras, uma nova especificação mundial para combustíveis marinhos (chamada de IMO 2020) beneficiou a estatal, pois reduziu o teor de enxofre permitido no óleo combustível de 3,5% para 0,5%. O petróleo extraído no Pré-Sal se enquadra nas novas especificações.

A China é o principal consumidor do petróleo brasileiro, absorvendo 60% do volume exportado pelo Brasil nos primeiros quatro meses do ano.

Outros países asiáticos, entre eles a Índia, além dos Estados Unidos e Europa, também estão entre os principais compradores.

As exportações de petróleo cru subiram 25% entre o último trimestre de 2019 e no primeiro de 2020.

Perigos

Segundo a Petrobras, esses números são positivos. Mas será que são o suficiente para trazer segurança para o Brasil?

Por decisão do governo brasileiro, o foco tem sido cada vez maior na extração e na venda do petróleo cru para o exterior.

Com isso, o Brasil está reduzindo o refino, e isso é perigoso.

A pandemia gerou diminuição da utilização das refinarias, que está por volta de 50% de sua capacidade. Isso deixa o país cada vez mais refém do mercado internacional de petróleo.

A Petrobras foi a empresa mais afetada do setor pela pandemia. Seu valor de marcado foi reduzido pela metade.

Empresas de outros países, que possuem do mesmo porte da Petrobras, estão ampliando sua participação em diferentes áreas, especialmente no refino. Com isso, terão mais segurança para superar crises e tornarem seus países mais independentes em relação aos combustíveis e derivados.

Desde 2019, a Petrobras passa por desinvestimentos e tem importado volume considerável de produtos refinados, principalmente dos Estados Unidos, enquanto subutiliza suas refinarias.

Essa visão de curto alcance colocará em risco todo o projeto de independência energética construída no Brasil a partir de meados dos anos 2000.

O que pode parecer avanço, pode acabar fazendo o Brasil dar um passo para trás.

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras
“Hibernação” é política de desmanche para venda de fatias da Petrobras
A partir de 2016, a direção da Petrobras mudou de rumo logo que o governo Temer assumiu.   A privatização da empresa passou a ser meta de setores que não possuem...
Sem refinarias da Petrobras, o preço dos combustíveis vai subir e os brasileiros pagarão muito caro
Sem refinarias da Petrobras, o preço dos combustíveis vai subir e os brasileiros pagarão muito caro
Ao reduzir de 95% para 60% a capacidade de refino no Brasil, o Governo Federal deixou claro que a política de desinvestimento praticada pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, piora...
Por que o Brasil ainda importa derivados de petróleo?
Por que o Brasil ainda importa derivados de petróleo?
Apesar de possuir uma das maiores reservas de petróleo do mundo – o Pré-sal – o Brasil ainda importa derivados de petróleo. Uma das principais razões é a não valorização...