Venda da BR Distribuidora ajuda a entender por que a redução de preços não chega aos consumidores

No mês de março, estourou a maior crise mundial do petróleo das últimas décadas. Naquele momento, o preço internacional do barril despencou com a queda da demanda, causada pela pandemia do Coronavírus, e com a disputa comercial entre Rússia e Arábia Saudita – os dois maiores exportadores de petróleo cru do mundo, que não diminuíram sua produção. Isso gerou excesso de oferta.

Aqui no Brasil, a Petrobras anunciou várias reduções de preços nas refinarias.

Mas essa redução não chegou completamente às bombas nos postos de combustíveis. E nem aos consumidores.

Entenda como a venda do controle acionário da BR Distribuidora, em julho de 2019, tem grande parte nisso.

 

O cenário anterior

A BR Distribuidora foi criada em 1971 pela Petrobras, em um momento em que a demanda por combustíveis crescia bastante. Naquele cenário, as multinacionais já tinham suas distribuidoras operando e dominando o mercado.

A BR Distribuidora começou com pouco mais de 20% do mercado, mas se tornou a maior distribuidora do país em 1974. O segredo estava justamente em ter todos os processos dentro da mesma empresa, reduzindo custos (o que é hoje a tendência das grandes empresas). Era a Petrobras do poço ao posto.

 

As três grandes viraram duas

Em 2016, cerca de 80% do mercado brasileiro de distribuição de combustíveis estava com três empresas: a própria BR Distribuidora, a Ipiranga e a Shell.

Em 2019, já sob o governo de Jair Bolsonaro e de sua política de desinvestimentos da Petrobras (forma de nomear o desmonte e venda de subsidiárias para multinacionais estrangeiras), a gestão da estatal vendeu o controle acionário da BR Distribuidora, deixando de ter poder sobre as decisões da empresa.

A BR Distribuidora era responsável por 10% das receitas da Petrobras.

Porém, o comprador, sem ninguém perceber (devido à diluição do capital), foi um grupo de investidores que controla a multinacional Shell.

E a parte da população brasileira que acredita que privatização vai gerar competitividade, foi enganada.

Para piorar, o modo que a operação foi feita não despertou preocupação por parte da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e nem do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que deveriam agir para evitar a concentração econômica e a cartelização (prática de combinar preços entre empresas privadas).

No final, o grande prejudicado foi o consumidor, com a formação de um oligopólio privado e com uma distribuidora privada gigante maximizando os lucros no caminho entre a refinaria e os postos.

Sem o controle da BR Distribuidora, a Petrobras não tem como garantir que a redução dos preços nas refinarias chegue ao consumidor.

Ganharam os donos das multinacionais. Perderam os brasileiros.

 

Compartilhe a nossa campanha no Facebook

Siga-nos no Instagram

 

 

Passado, Presente e Futuro: A Petrobras é tudo isso e muito mais

Petrobras leva responsabilidade social a sério
Petrobras leva responsabilidade social a sério
A Petrobras possui sólidos programas de responsabilidade social e ambiental. Esses projetos têm como objetivo diminuir ao máximo os impactos de sua atividade econômica nas comunidades onde atua, buscando sustentabilidade...
Priorizar o refino protegeria a Petrobras das variações do mercado (e crise atual mostrou isso do pior jeito)
Priorizar o refino protegeria a Petrobras das variações do mercado (e crise atual mostrou isso do pior jeito)
O dia 9 de março de 2020 foi um dia de pânico nos mercados do mundo inteiro, especialmente o do petróleo. Neste dia, estourou uma grande crise com o preço...
Em 20 anos, serviços privatizados subiram mais que inflação
Em 20 anos, serviços privatizados subiram mais que inflação
É comum ouvir atualmente expressões como “privatiza tudo” ou “tem que privatizar mesmo”. Geralmente, esses pensamentos são estimulados por setores que não possuem compromisso com o país e nem com...